quinta-feira, 3 de junho de 2010

CADÊ O SEX, Ô, PSIT?

Dia desses, Sartre me convidou para ver Sex and The City 2. Li a sinopse e achei que se tratava de um típico filme francês: quatro amigas, com problemas diversos - tédio no casamento, patrão opressor, chegada da menopausa e filhos demandantes -, resolvem viajar juntas para o Oriente Médio.

Fui entusiasmada. A julgar pela descrição e título, o programa prometia muita
sacanagem e verborragia. O que mais pode-se querer de um filme?

Tomamos nossos assentos. Sartre sentou de lado. Queria ver o filme com o olho esquerdo.

Logo no início, a primeira boa surpresa. Lisa Minelli apareceu cantando. Como ela está bem. Interpretou uma Ana Maria Braga com perfeição.

A aparente solução para os problemas enfrentados pelas moças é dado por um xeque que resolve convidá-las para conhecer Abu Dabi com todas as despesas pagas,
incluindo passagens aéreas na primeira classe e suítes presidenciais. Pensei, huum,
chegamos ao ponto, agora sim vai rolar a sacanagem e um debate sobre prostituição.
Ledo engano. O xeque não queria nada em troca.

O filme foi avançando e nem sinal de sex ou de city. Só shopping. O próprio Oriente era Médio. Parecia mais um resort em Miami. Comecei a ficar preocupada. Pouca coisa acontecia, além de sucessivas trocas de roupas.

Perguntei a Sartre se não tínhamos nos enganado de sala, se não estávamos vendo um filme promocional de algum costureiro famoso ou de uma marca de sapatos.

Mas Sartre estava se divertindo. Lá em casa é ele que gosta de comédias
românticas. Inclusive, na cena em que a protagonista liga culpada para o seu marido para lhe contar que beijou um ex-namorado que encontrou, por acaso, durante
a viagem, foi o único na sala a soltar uma enorme gargalhada.

Os estúdios deveriam lançar esse tipo de filme em 3D. É um ótimo recurso para deixar
os personagens menos planos.

Em determinado momento, surgiu uma metáfora engenhosa. As quatro moças, lindas
e ocidentalmente vestidas, estão sendo perseguidas num mercado árabe. Para escapar e voltar à civilização, elas vestem burcas libertadoras.

Na saída, Sartre me perguntou com qual personagem me identifiquei mais. Não tive dúvida. Foi com o Mr Big. O único que teve um comportamento admirável. Comprou uma super Tevê flat screen para ver a Copa deitado na cama. Esse é dos meus.

16 comentários:

  1. "Sartre sentou de lado. Queria ver o filme com o olho esquerdo".
    rs

    ResponderExcluir
  2. Muito bom!!! Posta mais!!! adoreiiiii

    ResponderExcluir
  3. ameizão! Siga no twitter!
    @BeauvoirSimone

    ResponderExcluir
  4. Na verdade, é de Simone de Beauvoir a frase "Buying is a profound pleasure". Ou seja, ela poderia até ser a musa das mocinhas do filme nesse aspecto... Literalmente.

    ResponderExcluir
  5. Texto delicioso! Uma entrevista de Beuvoir a Carrie Bradshaw seria pedir muito?

    ResponderExcluir
  6. Beau, gostaria de saber seu posicionamento nessas eleições à presidência. Companheiro, que Deus não o tenha, deve estar lamentando a 'existência' desses candidatos. E como a senhora mesmo disse, não se nasce mulher, torna-se, o que acha desse "tornar-se mulher" de Dilma para candidatar-se, ou melhor, para ser eleita?
    Bem, é isso.

    ResponderExcluir
  7. dica via twitter. valeu. gostei e vou visitar mais.

    ResponderExcluir
  8. Hahahahaha, muito bom!

    ResponderExcluir
  9. Twitadíssimo tá o artigo da Simone! No meu caso, atrás da Carrie,parece que acabei ficando com a Charlotte.

    ResponderExcluir
  10. exatamente, é um filme sem história, em que nada acontece e que nem aprofunda nos personagens. 2h de frustração.

    ResponderExcluir
  11. Sensacional Sim's! Você é mesmo uma mulher pra mais de metro. Volte a postar mais vezes, okay? Tenho curiosidade de saber o que pensa sobre Geise Arruda. Xoxoxo!

    ResponderExcluir
  12. menage-a-trois, quatre, cinq, six, sept....27 de julho de 2010 08:13

    Sem dúvida um dos melhores posts!!

    ResponderExcluir
  13. Posta mais, posta mais!

    ResponderExcluir
  14. sensacional!!! a parte da burca foi demais!!!

    ResponderExcluir